Poesias

GUARANAPOLITANA
Por:
José Monteiro Gondim Filho
(Prof. Zequinha Gondim)
Minha Terra, minha gente...
Aqui vim para decantar, q’este povo, q’esta gente,
é muito mais do boato dito por lá!

Sou filho de outrora, com muito orgulho nesta hora.
Nasci neste rincão bem brasileiro,
raça de índios fortes e sangue guerreiro, tez bronzeada e morena.
Terra de Cereçaporanga Sateré-Mawé.

E eu quando menino, não vi que me foi ligeiro o tempo roubar
e ver minha humilde infância passar. Transformei meu corpo inteiro,
neste torrão brasileiro, tão bonito e altaneiro, muito mais que outro lugar.
Terra de singelo povo hospitaleiro, ligeiramente muito festeiro,
Como a Velha Mundurucânia, não há!

Aqui sonho e idealizo o que pretendo almejar. Pois, do berço que nasci,
mil venturas já vivi. E muitas delas estão escritas, nas páginas de minha vida,
nos versos à seguir:

“Banho-me em águas cristalinas, com cercaduras colossais,
de areias brancas e finas, nos quatro pontos cardeais.”
Tem muita cousa esta terrinha que poderia ter muito mais.
Se pra pegasse mesmo, ai de mim, que estes versos seriam meus, jamais...
Ademais, registram-se garbosas lendas do Anselmo e do Guaraná,
bem como, do velho adágio popular: MAU-és, MAU-fostes e MAU-serás!
Isto é coisa de homem branco antepassado, fácil agora de apagar.
Vale apensas neste instante ressaltar:
MAUÉS, BENDITAS ÉS! Como teu povo em Deus acredita, ninguém pode mudar.
“Tem mistério que é mistério, que só ao céu cabe desvendar
e nós homens aqui na terra, precisamos sabiamente respeitar.”

Tem mistério que é mistério, quantas fontes naturais?
Ouro preto e amarelo, quantos óleos vegetais?
Da essência do pau-rosa à semente do guaraná.
Tem andiroba, copaíba e cumaru, e outras mais a medicar.
Inda dizem que o petróleo, por aqui, começou a jorrar.

Por ser terra de papagaios falantes, nunca se pode ter
a certeza marcante, da verdadeira história deste povo inteligente e instigante.
Quantas riquezas obtemos, quantas mais desconhecemos,
Mesmo por aqui morar. Como diz a experiência da geração anciã:
“Se do pó do GUARANÁ tomar, podes ter toda certeza, que aqui sempre irás voltar”.

Nossa terra é a melhor dádiva presenteada por Deus!
E todo visitante que aqui chegar, certamente verá raras belezas,
neste paraíso ímpar de desfrutar, expressão máxima no olhar...
Fruto da obra de Deus e da Mãe mestra: a NATUREZA!
GUARANAPOLITANA,
Aqui vou encerrar. Restituir-te-ei meu corpo,
neste solo Maueense que sou, que me viu despido e inocente.
Como chão seremos UNO, para sempre...